LET POWER, WEALTH AND FAME BURN!

LET POWER, WEALTH AND FAME BURN!

To read the original version in the author's native language click here

“What will you be ashamed of 50 years from now?”

Ooh la! Excellent question! I even dare to say that if we closed each day with a bit of time to answer the question “what did I do today that I am ashamed of?” that would bare great fruits!

50 years is a long time, more than double my age! Therefore, I’m going to go for an answer that would make sense both 50 years from now and today (and, unfortunately, also in the past, I believe).

So here it goes: I am very ashamed that we, as a society – and, I believe, even more profoundly as individuals – set as life goals the wonder trio Power, Wealth, and Fame.

As if the stamp of a good life had more ink the more these 3 criteria are collected.

The Wonder Trio

Power as in the desire to dominate, to control, to not depend on anyone;

Wealth not only regarding money, but also material things, the little comforts;

and Fame, as in the desire to be admired, the dependency on compliments and recognition – as if something only had value if someone, other than myself, saw it.

“Oh, that’s all very nice, but I don’t recognize myself in that desire for Power, Wealth, and Fame”. Wonderful! I hate generalizations, but I, that am weak, feel many, many times (although increasingly less) impelled to dedicate my life to climb the ladder of recognition so that I can have more, and be up there calling the shots.

“But why does that have to be bad? Isn’t it cool to live well and to want people to like me?”

Of course it’s cool, and none of this should be absolutized as bad! As if it wasn’t the case that Power is, so many times, an opportunity to lead well and empower people; Wealth a vehicle for such good deeds and an incentive for togetherness; and Fame favorable for a good message to be spread!

The point, I believe, is that if we set them as our life goals, we will easily be deceived to believe that it is in them that Happiness lies, life with meaning.

And then, we confuse satisfaction with Happiness, we bet that Happiness lies in the conquest of those things that bring us satisfaction. As if Happiness were proportional to the sum of satisfactions.

“Oh, but the rich, famous and powerful seem to live so much better!” Hmm, but do they?

It seems curious to me to note how obvious it appears to be (given history, and the testimonies of the rich, famous and powerful) that that satisfaction of Wealth, Power and Fame by itself is superficial and empty, it is not fulfilling.

The void the human being carries is not filled by the success the world might stamp on it.

Rather the opposite! How many famous people feel profoundly lonely, how many powerful people end up despised by everyone, and how many rich people live permanently unsatisfied?

This strongly suggests that being dependent on these criteria to evaluate if my life is well-lived or not is not very wise. Hence, we should be rational and use our dear friend Intellect:

if evidence tells us that Happiness is not found in Wealth, Power or Fame, let us have the coldness of eliminating them as life goals.

“Oh, but if it’s not for Power, Wealth, and Fame, what creates a life well-lived, the real success?”

Well, that’s the big question. But, like all great questions, it has the advantage that each one can take their guess. And what I stand for, besides what I’ve already said in this article, is that these 3 friends not only do not lead to Happiness, but they make the path there more difficult!

The Alternative

Hence, I support the replacement of this trio by a much less popular one: Detachment, Modesty, and Service.

Once again, not so much as a goal, but as a path in order to live with quality and profoundness, without illusions or false pretentiousness. And it is important to clarify them, so that no one accuses me, justly, of defending that living in misery is the best way to live.

I mean Detachment as disconnection, living simply – so that, above all, I don’t let material things get in my way of surrendering myself to others.

Modesty not as a burden that forces me to live with my head down, but as a calibrator that suggests that I look ahead, in the right measure of what I am, without wanting to stand out nor bring myself down.

And, finally, Service, not as in the casual charity, but as the profound disposition to de-center myself, to take my sight away from my monotonous bellybutton, and creatively reorient it to the fascinating interior of others, to the desire for the other to be well.

We have identified 3 powerful antidotes to the previous criteria: Detachment to murder Wealth, Modesty to rip apart Fame, and Service to decapitate Power.

“Oh, but that is quite unpopular” Hmm.. If, on the one hand, this sounds scary and unattractive, on the other hand, I believe that being armed with these 3 swords is quite tempting. And additionally, my optimism is here asking me to write that he thinks we are, as a society, curiously tending, slowly, towards them!

Let us pay attention to the discrete, but clear way that Detachment, despite the climbing consumerism, has been entering the world – by minimalist architecture, so distant from the exuberance of the past, and by the increasingly less distractive design.

To the way in which Modesty, despite the increasing cult of the “I”, has entered the increasing consciousness that I should be who I am; to the generalized critique of those who arrogantly think highly of themselves.

And, what more surprising than Service, which is now a trend! So many solidarity actions, so many volunteering programs, so many social departments, so many good deeds – it’s wonderful! (My skepticism is asking me to write that this service is not always brought up by the best reasons, but I have already muffled it, don’t worry.)

Now, it is only left for Detachment and Modesty to also become trendy, and the world will be truly mesmerizing!

Let the #detachedandmodest rise and, with a bit of luck – or better, with a bit of effort – 50 years from now, we will no longer be ashamed of stupidly running after the so immensely empty Power, Wealth, and Fame.

“De que é que te envergonharás daqui a 50 anos?”

Uh lá! Excelente questão! Até arrisco que se fechássemos todos os dias com um tempinho para responder à pergunta “De que é que me envergonho do que fiz hoje?” isso traria frutos bem bons! Por falar em frutos, 50 anos é muita fruta, mais do dobro da minha idade! Sendo assim, vou apostar numa resposta que serve quer para daqui a 50 anos quer para hoje (e infelizmente, creio que também para o passado).

Ora cá vai, sinto muita vergonha por ainda, enquanto sociedade e, parece-me, que ainda mais profundamente enquanto indivíduos, colocarmos como alvo da nossa vida o trio maravilha Poder, Riqueza e Fama.

Como se o carimbo da Boa Vida tivesse tanto mais tinta quanto mais estes 3 critérios forem arrebanhados. O Poder enquanto vontade de dominar, controlar, não depender de ninguém, a Riqueza não só a do dinheiro mas a das coisas, a das segurançazinhas e a Fama enquanto desejo de se ser louvado, dependência de elogios e de reconhecimento, como se algo só tivesse valor se alguém, que não eu, o vir.

“Ah, isso é tudo muito bonito mas eu não me reconheço nesse desejo de Poder, Riqueza e Fama.” Maravilha! Tenho ódio às generalizações mas cá eu, que sou fraco, sinto-me muitas muitas vezes (mas cada vez menos) apelado a querer dedicar a minha vida a trepar para ser reconhecido, para poder ter mais, para estar lá em cima a mandar.

“Ah mas porque é que isso tem de ser mau? Não é fixe viver bem e querer que as pessoas gostem de mim?” Claro que é fixe e nada disto deve ser absolutizado como mau! Ou não fosse o Poder tantas vezes oportunidade para liderar bem e potenciar pessoas, a Riqueza veículo para tanta boa obra e incentivo para o encontro e a Fama favorável a que uma mensagem valiosa seja espalhada!

O ponto, parece-me, é que se tomarmos como meta esse trio, facilmente nos iludiremos de que é neles que está a Felicidade, a vida com valor.

E assim, creio, confundimos satisfação com Felicidade, apostamos que a Felicidade está na conquista dessas coisas que nos trazem satisfação.

Como se a Felicidade fosse proporcional ao somatório de satisfações.

“Ah mas os ricos, famosos e poderosos parecem viver bem melhor!” Hmm… Será? Parece-me curioso notar o quão óbvio aparenta ser (pela história, pelos testemunhos dos ricos, famosos e poderosos,…) que essa satisfação da Riqueza, Poder e Fama por si só é superficial e vazia, não enche.

O vazio que o humano reclama não é preenchido pelo sucesso que o Mundo possa carimbar. Antes pelo contrário!

Quantos famosos se sentem rofundamente sozinhos, quantos poderosos acabam desprezados por todos e quantos ricos vivem permanentemente insaciados. O que sugere, com muita força, que se ando a depender destes critérios para dizer se a minha vida é ou não bem vivida, sou capaz de estar a ser pouco sábio.

Assim, há que ser racional e usar este nosso tão amigo intelecto: se as evidências nos dizem que a Felicidade não está na Riqueza, Poder e Fama tenhamos a frieza de os eliminar como objetivo de vida.

“Ah, então, senão é pelo Poder, Riqueza e Fama, por onde é que passa a vida bem vivida, o verdadeiro sucesso?”
Ora, essa é a grande questão. Mas, como todas as grandes questões, tem a vantagem de cada um poder atirar a sua posta. E o que apoio, para além deste textito, é que estes 3 amigos não só não nos levam à felicidade, como nos dificultam o caminho!

Assim, sustento o destronamento deste trio por outro bem mais impopular: o Despojamento, a Humildade e o Serviço .

Mais uma vez, não tanto como meta mas como estrada para viver, espero, com qualidade e profundidade, sem ilusões nem falsas pretensões. E é importante clarificá-los para que ninguém me assassine justamente por achar que defendo que o viver na miséria é a melhor forma de vida.

Digo Despojamento como o desapegar, o viver simples, para que, acima de tudo, não deixe que as
coisas me atrapalhem o entregar-me aos outros.

A Humildade não como um peso que me force a viver cabisbaixo (com o cabis em baixo) mas como um calibrador que me sugira o olhar em frente, na justa medida do que sou, sem querer agigantar-me ou minimizar-me.

E, por fim, o Serviço que não passa tanto pela caridadezinha pontual, mas pela disposição de fundo para me descentrar, para afastar os olhos do meu monótono umbigo, e reorientá-los criativamente para o fascinante interior dos outros, para o querer que o outro esteja bem.

Assim, reunimos 3 poderosos contra-critérios dos anteriores, o Despojamento para assassinar a Riqueza, a Humildade para esventrar a Fama e o Serviço para decapitar o Poder.

“Ah, mas isso é bastante impopular.” Hmm… Se por um lado parece assustador e pouco atrativo, por outro acho que o querer viver munido destas 3 espadas tem algo de aliciante e pacificador. E mais, o meu optimismo está aqui a pedir-me para escrever que acha que estamos, enquanto sociedade, curiosamente a tender, devagarinho, para eles!

Ora atentemos na forma discreta mas tão clara como o Despojamento, apesar do cavalgante consumismo, tem entrado no mundo, seja pela arquitetura minimalista tão distante da exuberância do passado, pelo design cada vez menos distrativo…

Na forma como a Humildade, apesar do cavalgante culto do eu, tem entrado pela consciencialização crescente de que tenho de ser quem sou, pela vaia generalizada de quem se agiganta arrogantemente…

E mais surpreendente é o Serviço, que está na moda! Quantas ações de solidariedade, quantos programas de voluntariado, quanto departamento social, quanta boa ação gratuita, é uma maravilha! (O meu cepticismo pede-me para escrever que este serviço nem sempre surge pelas melhores razões
mas já o amordacei, não se apoquentem.)

Agora, resta apenas pôr o Despojamento e a Humildade na moda e o mundo ficará verdadeiramente divinal!

Que rolem os #despojadoehumilde e, com sorte – ou melhor, com esforço – daqui a 50 anos já não nos envergonharemos por termos andado ignobilmente atrás dos tão abundantemente vazios Poder, Riqueza e Fama!

Ps – Perdoem-me por os meus textos irem bater sempre na tecla da Felicidade e da vida bem vivida mas não consigo evitar! E, afinal, se não é para isso que cá estamos então mais vale dormitar incessantemente.

MANUEL SÉRVULO

Appreciator of solitude but no fool, persistent dreamer but not insatiable. Permanently dazzled but not naïve. Happiness, oh it’s you, you’ve arrived! It’s so good, so good to feel like this.

LISBON, PORTUGAL

1 comment

  1. Excelente texto, Manel!
    Parabéns e obrigado!

/leave a reply/